16 de novembro de 2017
Inicial / Artigos / A dura vida dos prefeitos

A dura vida dos prefeitos

Print Friendly, PDF & Email

   Gilberto Jasper

   Os milhões e bilhões de reais e dólares que povoam as manchetes política causaram um anestesiamento geral. Nada mais causa indignação. A proliferação de áudios e vídeos com doses cavalares de desfaçatez é tamanha que é impossível mobilizar meia dúzia de pessoas para protestar. A indiferença preocupa porque compromete o futuro do país.

Diante de cifras astronômicas dos conchavos tecidos em ligações telefônicas cifradas tento imaginar o que se passa na cabeça dos prefeitos de pequenos e médios municípios. Diferente de políticos de alto calibre, sempre inacessíveis, os mandatários municipais são cobrados todos os dias. No gabinete, na rua, na igreja, no mercado, na caminhada matinal.

A conquista de recursos federais indispensáveis à realização de pequenas obras, mas de grande importância para os pequenos municípios, demanda repetidas idas a Brasília. Isso acarreta despesas para compra de passagem, pagamento de estadia e para deslocamentos entre ministérios.

Prefeitos são administradores que permanentemente prestam conta de seus atos. São cobrados por omissões, falhas ou pela incapacidade de minimizar as mazelas dos munícipes. O orçamento é sempre insuficiente.

Os bilhões que escoam pelo ralo da corrupção poderiam viabilizar melhorias que garantiriam um futuro melhor para milhões de cidadãos necessitados. E também para melhorar a qualidade de vida de outro contingente que luta diuturnamente para sobreviver com dignidade.

Os desvios que revoltaram o Brasil já são rotina. Em 2018 teremos eleições. Veremos figuras carimbadas por escândalos na telinha no famigerado horário político. Ouviremos soluções mágicas, pregação de moralidade, tudo na prática do esporte nacional da demagogia inconsequente.

Os municípios são grandes condomínios em que todos se conhecem, se cruzam, se ajudam. O prefeito luta para vencer a crise, se esgueirar de apontamentos nem sempre justos dos órgãos fiscalizadores. Ao mesmo tempo em que pugna para melhorar a vida de sua gente.

Não é tarefa para fracos ou ineptos. É desafio que exige tenacidade e energia inesgotáveis. Sempre na mira dos munícipes, eles driblam obstáculos, respiram fundo e seguem adiante.

Gilberto Jasper é Jornalista/Consultor de Comunicação