24 de setembro de 2018
Inicial / Destaques / A missão dos Três Mosqueteiros de Lula

A missão dos Três Mosqueteiros de Lula

Print Friendly, PDF & Email

Os “Três Mosqueteiros” foram escalados pelo Partido dos Trabalhadoras para se colocarem como “puxadores de votos” na eleição de 7 de outubro. Com grandes dificuldades nos três estados-chave para o PT, Paulo Pimenta, Wadih Damous e Paulo Teixeira devem se converter em heróis da libertação de Lula e obterem votações consagradoras nos seus estados. Cada qual terá como missão eleitoral levar, cada qual, pelo menos dois outros deputados federais na carona de seus resultados nas urnas.

Os três parlamentares tiveram grande destaque na Câmara Federal neste ano. Seu próximo passo é levantar uma votação consagradora. Nos seus estados, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro, o PT está em dificuldades para ter bom desempenho nas eleições deste ano e chegar a uma bancada relevante no Congresso. Como se recorda, o grande objetivo estratégico dos grandes partidos elevar bancadas significativas que lhes dê poder efetivo na próxima legislatura.

Sob alguns aspectos a operação de libertação do ex-presidente Lula foi um fracasso, pois expõe o prisioneiro a um confronto com os magistrados e deixa sua defesa, vendida no episódio, sem explicações convincentes, pois se não pode aprovar, também não pode negar.

O desembargador Rogério Favreto, agindo como kamikaze soterrou sua carreira no Judiciário.

Resta saber o que se pretendia efetivamente com a medida, pois não havia possibilidade de Lula ficar mais do que algumas horas fora da prisão se a liminar fosse executada. Uma fonte da Polícia Federal disse à mídia do Paraná que se temia que o ex-presidente aproveitasse a saída para fugir do País. Isto, entretanto, não seria possível, a menos que pudesse se refugiar numa embaixada. Em Curitiba há apenas três consulados com status diplomático, nenhum deles viável para um asilo: Argentina, Japão e Portugal. Todos os três deportas fechadas naquele domingo.

Também pode ser culpa da derrota da Seleção. A operação foi planejada para se realizar num dia de jogo decisivo. Sem o escrete em campo a notícia dominou o noticiário, deixando os envolvidos numa situação embaraçosa. Tiro n’água.

Agência Digital News