Inicial / Repórter Brasília / Agronegócio vai ao ataque

Agronegócio vai ao ataque

Print Friendly, PDF & Email

As lideranças do agronegócio entram no segundo semestre do ano, com o objetivo de deixar “absolutamente claro que nós não apenas somos contra o desmatamento ilegal, mas nós nos propomos a fazer parte da fiscalização para não ocorrer o desmatamento”, afirmou o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Alceu Moreira (MDB/RS).

Questão de Polícia

Para o parlamentar, “se alguém tem condições de fiscalizar para que isso não aconteça, somos nós (produtores rurais) ”. O líder ruralista enfatizou que “desmatamento é questão de polícia, não de política” Disse que tem que deixar claro isso. Não dá para tratar o problema, imaginando que alguém fora da lei invada a floresta e retira a madeira e a responsabilidade cai sobre o produtor rural, que não é o responsável por isso”.

Sem-Terra desmatando

O congressista, ressaltou que” o relatório do TCU de 2015 diz que “quem mais desmatou no País foram os sem-terra. Temos o relatório aqui, que mostra isso. Quem mais desmatou foram eles. Inclusive em alguns casos com a participação do próprio Incra”, denunciou.

Guerra comercial

O presidente da Frente Parlamentar do Agronegócio disse que “ se os ataques internacionais contra o desmatamento, fossem verdadeiros, bastava que a Europa reflorestasse parte das matas deles. Se eles estão interessados quanto mostram na voz, eles reflorestem a área”. Alceu Moreira pergunta porque eles não plantam uma só árvore e querem cobrar do Brasil? “Esta guerra não é ambiental. É comercial”.

Sem produção, sem concorrência

Moreira acentua que se não é permitido o desmatamento, não permitem a exploração da terra indígena, se não permitem que demarquem, tudo que for de pedra preservado, reserva legal, APP, todos os parques, demarcação de terras; todas são terras que ficam inférteis, e que não produzem. E com isso não são concorrentes deles. Então as políticas todas pregadas por eles são todas de natureza coibitiva da nossa produção. ”

Proposta do agronegócio

O líder da Frente Parlamentar do agronegócio, Alceu Moreira, defende que sejam desenvolvidas pelo governo e pelo setor campanhas simultâneas para mostrar aos mais diversos setores do mundo o quê que é fato e o quê que é fake, o que é verdade e o que é mentira”. O parlamentar ressalta que “ é claro que aquilo que precisa ser dito para a Alemanha não é a mesma coisa que tem que ser dita para a China; e não é a mesma coisa para os países árabes.

Atuação das embaixadas

Para o congressista, “ nós temos que ter um estudo claro para dizer o seguinte: qual é a comunicação e imagem que nós queremos vender para os países do mundo. Temos que fazer isso de maneira permanente, via embaixadas, botar alguém habilitado para poder fazer isso. Se sofrer um ataque da Alemanha, imediatamente procura quem fez e reestabelece o trabalho do ponto de vista científico. Não deixar a coisa andar como acontece até hoje”.

Imagem de país vira-lata

“Ficamos nos queixando aqui do Brasil como se estivéssemos nos vitimizando”, acentua Alceu Moreira. “Enquanto isso eles destroem completamente a nossa imagem. Porque tem brasileiros lá fora, pagos por ONGs internacionais para vender uma imagem de País vira-lata, e tem aqui dentro também ONGs internacionais pagas pelos mesmos para levantar todos os tipos de argumentação legal que impeça a nossa capacidade produtiva. ”

Resposta imediata

Para o parlamentar, a resposta do governo aos ataques tem que ser imediata. Argumenta que, se for por exemplo na Europa, a mesma linguagem que tu tens que usar para a Inglaterra e para a Espanha, pode não ser a mesma para a Alemanha, e pode ser diferente para a França. ” Na opinião do deputado, ”tem que se identificar quais são os focos, e principalmente fazer uma comunicação e imagem muito alicerçada, com a assinatura da Embrapa, das Universidades, para mostrar o que é verdade sobre o Agro brasileiro. Não aquilo que é vendido lá fora por mal-intencionados”.

Contribuição do Parlamento

Para o líder da maior Frente Parlamentar do Congresso, a do agronegócio, o Parlamento está fazendo sua parte. Somos nós que estamos coordenando isso, estamos incentivando, buscando profissionais específicos para fazer esse grande estudo e queremos despertar isso agora no segundo semestre. ” Moreira afirmou que “o governo também está fazendo uma grande campanha, hoje já saiu encartado na Folha de São Paulo, o Agro Saber, que é para ir passando para as pessoas o que a é verdade dos fatos”. Segundo o parlamentar, “o que nós não podemos mais é ficar falando de nós para nós mesmos. Temos que falar de nós para os outros”.

Blog Edgar Lisboa / Foto: Pietro Marques