Inicial / Repórter Brasília / Aliança pelo Brasil
Bia Kicis

Aliança pelo Brasil

Print Friendly, PDF & Email

A decisão do presidente Jair Bolsonaro de criar uma nova legenda mostra que, já há um projeto que visa não só a eleição municipal de 2020, mas também é uma preparação para pavimentar um caminho para 2022. A Aliança pelo Brasil já nasce com musculatura. Será o novo reduto dos “bolsonaristas”, mas também um abrigo para os que por uma razão ou outra não estão satisfeitos com os atuais partidos. Pelo andar da carruagem, e decisões rápidas, a legenda estará com tudo pronto até março próximo, a tempo de participar das eleições municipais. O anúncio oficial será no próximo dia 21 e, segundo pessoas ligadas ao presidente, com nomes de políticos influentes já integrando a nova sigla.

Nomes fortes devem se habilitar

A expectativa é que 30 parlamentares acompanhem o presidente, a maioria do PSL.Há quem aposte em 50. Mas, muitas personalidades do mundo político, até mesmo ex-ministros militantes na política, já se preparam para integrar a Aliança pelo Brasil. Nomes fortes devem ir no caminho de defender o que Jair Bolsonaro vem pregando desde sua candidatura ao Palácio do Planalto. O senador Flávio Bolsonaro (PSL/RJ), foi o primeiro a apresentar o pedido de desfiliação à Justiça Eleitoral. Ministros influentes do atual governo também preparam suas malas para seguir no mesmo caminho.

Rumo dos gaúchos

Dos quatro deputados federais gaúchos eleitos do PSL, três seguem o presidente: Bibo Nunes, Ubiratan Sanderson e Marcelo Brum. Já o deputado Nereu Crispim, que sempre votou com o governo, permanece no PSL, mas, continuará fiel a Jair Bolsonaro. “Eu não tenho lado. O meu lado é o Brasil, e é ao discurso do Bolsonaro que eu devo a minha eleição. Não vou para o novo partido, mas sempre votei a pauta do governo e continuo votando”.

Liberalismo econômico

“Não vejo todo esse estardalhaço em função de o presidente não estar no PSL”, avaliou Crispim. Segundo o congressista, “o PSL, dentro da ideologia dele, faz exatamente o que fez o presidente na época, optar pelo PSL, que é o liberalismo econômico, a diminuição de estado, desburocratização. Todas essas pautas são ideologias do PSL. Há muitos anos o presidente Luciano Bivar sempre pregou isso”.

Estatuto Partidário

A criação de um estatuto partidário simples, mas pautado em transparência, será um dos pontos fortes da Aliança pelo Brasil. A ideia é que, com regras claras e transparentes, a liderança da nova legenda crie um filtro ético, com uma postura diferente do imbróglio que o presidente Bolsonaro enfrenta hoje, num emaranhado de situações que, senão se afastar, poderá chamuscar até a figura do Presidente da República.

Sem levar recursos

A deputada de Brasília, Bia Kicis, afirmou que “o grupo está determinado a deixar o PSL mesmo sem levar recursos do Fundo Partidário e tempo de TV”. Quando o partido for formalmente criado, abrem-se as cortinas e começa o espetáculo, com brigas em busca dos melhores caminhos. Os deputados que estão na linha de frente dessa mudança de sigla procuram deixar claro que seguem o líder maior (Bolsonaro), independente de Fundo Partidário. Acentuam que não querem briga com o PSL, mas congregar pessoas que serão aliados.