Inicial / Destaques / Autores gaúchos entregam livro sobre as origens do exército para comunidade acadêmica militar nas Agulhas Negras
Guararapes

Autores gaúchos entregam livro sobre as origens do exército para comunidade acadêmica militar nas Agulhas Negras

Print Friendly, PDF & Email

Atualização em 25 de fevereiro de 2020

José Antônio Severo

Em cerimônia na Academia Militar das Agulhas, Negras, em Resende, Rio de Janeiro, foi entregue aos cadetes dessa escola de formação de oficiais um exemplar do livro “Raízes do Exército Brasileiro”, simbolizando a doação de um exemplar a cada aluno da comunidade acadêmica do Exército, que inclui também nas Escolas Preparatórias de cadetes, escolas de formação de especialistas (graduados) e nos Colégios Militares espalhados pelo País. Os livros os quais, quando possível, serão depois distribuídos a todos os estudantes dessas instituições de ensino, recupera os primeiros momentos da fundação do exército nacional, na guerra contra a invasão holandesa, a partir de 1630, em Pernambuco. O prefácio é do desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, ex-presidente do TRF 4, da Justiça Federal.

A data escolhida para o lançamento do livro coincidiu com a comemoração da vitória da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Batalha de Monte Castelo, na II Guerra Mundial.  A obra é de autoria dos historiadores gaúchos, coronel Luiz Ernani Caminha Giorgis, presidente da Academia História Militar Brasileira Terrestre/Rio Grande do Sul, e ex-professor de História do colégio Militar de Porto Alegre, e do Membro-Efetivo Virgílio Ribeiro Muxfeldt, general-de-exército, ex-comandante da Terceira Região Militar, dentre muitos comandos que ocupou ao longo de sua carreira.

O livro foi editado em Porto Alegre, em 2019, e teve seu lançamento festivo nas comemorações da Batalha de Monte Castelo, na Segunda Guerra Mundial, quando a Força Expedicionária Brasileira, sob o comando do general Mascarenhas de Morais, derrotou a 148ª Divisão de Infantaria do Exército Alemão, comandada pelo general Otto Fretter Pico, rompendo as defesas do Eixo na famosa Linha Gótica, na cadeia de montanha dos Apeninos, no norte da Itália, abrindo mais um caminho para o avanço das forças  aliadas no rumo da capital inimiga. Essa batalha iniciou-se dia 24 de novembro de 1944 e foi concluída em 21 de fevereiro de 1945. Seguiram-se outras vitórias importantes

Expulsão dos holandeses

O livro “Raízes do Exército Brasileiro”, narra a guerra de expulsão dos holandeses e extinção de sua colônia no Brasil, como resultado da vitória nas duas batalhas de Guararapes, nos arredores de Recife, em Pernambuco, no Século XVII. Esse levante e a força armada que se organizou para extinguir essa invasão é considerada pelos historiadores como a fundação da nacionalidade brasileira quando se constituiu uma força armada composta por todas as etnias e miscigenações que caracterizam, até hoje, o chamado “povo brasileiro”. Os combatentes foram, então, chamados pelos europeus invasores de “patriotas”, uma palavra nova no mundo, configurando os povos dos nascentes estados-nações. Ou seja, ali nascia também no Brasil, o sentimento do patriotismo, que hoje caracteriza o amor à pátria. Nessa época, os primeiros brasileiros, nessa definição, levantaram-se contra os colonizadores estrangeiros, criando essa relação entre lealdade e devoção entre os cidadãos e seu país de nascimento.

Nessa época, os inimigos eram, então, representados pelos holandeses, que ocupavam a região nordestina. Não obstante no final fosse restaurada a soberania portuguesa, aquela campanha atende a todos os requisitos da ciência histórica para ser considerada um ato fundador da nacionalidade brasileira e de uma força armada legítima dessa nacionalidade. O livro apresenta fatos e debates sobre essa concepção aceita pela historiografia nacional e internacional. Guararapes é efetivamente a fundação do Exército Brasileiro.