Inicial / Destaques / Bohn Gass diz que DIEESE era desconsiderado por ser considerado de esquerda
Bohn Gass

Bohn Gass diz que DIEESE era desconsiderado por ser considerado de esquerda

Print Friendly, PDF & Email
Bohn Gass

O deputado Bohn Gass (PT/RS) disse que houve um tempo em que o“Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, o DIEESE, era visto pelas federações patronais como um organismo da esquerda política. Daí que os cálculos e análises feitas pelo órgão não eram considerados pelos formuladores das políticas econômicas do governo federal. Segundo o parlamentar gaúcho, “isso durou até o período em que o PT venceu quatro eleições seguidas e passou a adotar uma política de valorização do salário mínimo que garantia ganho real acima da inflação a cada reajuste anual”

Mas a desvalorização histórica do salário mínimo, avaliou Bohn Gass, “gerou uma perda tão grande ao longo dos anos, que mesmo a política de valorização adotada por Lula e Dilma, foi insuficiente para alcançar um padrão que garantisse o que o DIEESE considerava seu valor ideal. Essa distância entre o possível e o ideal, que a política definida pelos governos petistas caminhava para superar, foi então utilizada pelos partidos adversários e por grande parte do empresariado”.

 Na opinião do petista, como não era possível criticar “por fora” uma política de resultados tão bons – até a ONU reconheceu que a valorização do salário mínimo no Brasil foi instrumento decisivo no combate à miséria, na redução da desigualdade e na melhoria da renda do trabalhador brasileiro – os adversários do PT passaram a usar os números do DIEESE, que antes não reconheciam, na tentativa de afirmar que mesmo no governo, o partido que passara todo o tempo de oposição se referenciando nos cálculos do departamento, não conseguia alcançá-los”

Para o parlamentar, “o objetivo, claro, era tentar reduzir o mérito dos excelentes resultados que os governos do PT estavam obtendo.O pior é que esses adversários estavam certos. O PT fez o possível, não o ideal. Contudo, não fosse aquela política de valorização adotada por Lula e Dilma, o salário mínimo atual seria quase a metade. Sim, segundo o DIEESE, sem a fórmula adotada naquele período, o valor atual do mínimo seria de apenas R$ 573,00. Então, ao decidir que o reajuste do mínimo não levaria em conta apenas a reposição da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), mas incluiria, ainda, a variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos anteriores, os governos do PT iniciaram um processo de recuperação da remuneração básica do trabalhador brasileiro e garantiram um ganho real que equivale a R$ 425,00 dos atuais R$ 998,00. ”Bohn Gass afirmou que tem um Projeto de Lei de sua autoria e da Deputada Gleisi Hoffmann, já em tramitação na Câmara, para seguir com esta metodologia… inflação +PIB…a partir de 2020 será só inflação… LDO 2020 salário mínimo 1.040,00, pela metodologia PIB seria 1.052,00”, concluiu.

 

Blog Edgar Lisboa