Inicial / Mil palavras / Bolsonaro diz que determinou que CPMF ficasse fora da reforma tributária

Bolsonaro diz que determinou que CPMF ficasse fora da reforma tributária

Print Friendly, PDF & Email

Pelo Twitter, o presidente confirmou que o secretário da Receita Federal foi exonerado por defender tributo nos moldes da CPMF.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que, por sua determinação, a nova CPMF e o aumento da carga tributária ficaram fora da reforma tributária.  Ele confirmou ainda nesta quarta-feira, 11, nas redes sociais, que a criação de um novo tributo nos moldes da extinta CPMF “derrubou” o economista Marcos Cintra (foto) do cargo de secretário da Receita Federal.

Segundo Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, exonerou, “a pedido”, Cintra por “divergências no projeto da reforma tributária”. O presidente afirmou ter determinado que fique fora do projeto para reforma tributária “a recriação da CPMF ou aumento da carga tributária”.

Bolsonaro

Para Bolsonaro, reforma tributária ‘só deveria ter sido divulgada após o aval do presidente’. Foto: Isac Nóbrega/PR

“Paulo Guedes exonerou, a pedido, o chefe da Receita Federal por divergências no projeto da reforma tributária. A recriação da CPMF ou aumento da carga tributária está fora da reforma tributária por determinação do Presidente”, escreveu Bolsonaro no Twitter.

Bolsonaro ainda disse em outra rede social, o Facebook, que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma tributária “só deveria ter sido divulgada após o aval do Presidente da República e do Ministro da Economia”.

O Ministério da Economia confirmou em nota, na tarde desta quarta-feira, que Cintra deixou o governo. No lugar dele, assume interinamente José de Assis Ferraz Neto. O ministério ainda informou que não há projeto de reforma tributária finalizado. “A equipe econômica trabalha na formulação de um novo regime tributário para corrigir distorções, simplificar normas, reduzir custos, aliviar a carga tributária sobre as famílias e desonerar a folha de pagamento”, diz a nota. Segundo o órgão, a proposta somente será divulgada depois do aval de Guedes e do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo apurou o Estado, a permanência de Cintra se tornou insustentável diante das reações negativas do Congresso à antecipação da proposta de criação da contribuição sobre pagamentos (CP), com alíquotas de 0,2% e 0,4%, pelo secretário-adjunto da Receita, Marcelo Silva. A alíquota foi antecipada pelo Estado no dia 22 de agosto.

O Estado de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *