Inicial / Destaques / Bolsonaro diz que vai pedir ao Ministério da Saúde isolamento só para idosos e pessoas com doenças

Bolsonaro diz que vai pedir ao Ministério da Saúde isolamento só para idosos e pessoas com doenças

Print Friendly, PDF & Email

Bolsonaro pediu a adoção do que chamou de “isolamento vertical”, ou seja, apenas para o grupo de risco. Ele afirmou que ‘é preciso colocar as pessoas para trabalhar e preservar os idosos e doentes durante a pandemia’

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro afirmou que pedirá ao Ministério da Saúde mudança na orientação de isolamento da população durante a pandemia do novo coronavírus apenas para idosos e pessoas com comorbidades (outras doenças). Ao deixar o Palácio da Alvorada, Bolsonaro relatou que vai conversar com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, sobre a decisão.

Presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto Foto: Sergio Lima/AFP

Após fazer um pronunciamento criticando o confinamento e defendendo a abertura de comércios, o chefe do Planalto pediu a adoção do que chamou de “isolamento vertical”, ou seja, apenas para o grupo de risco. “Conversei por alto com o Mandetta ontem (terça-feira). Hoje vamos definir essa situação. Tem que ser, não tem outra alternativa”, disse Bolsonaro ao deixar o Palácio da Alvorada. “A orientação vai ser vertical daqui para frente. Eu vou conversar com ele e tomar a decisão. Não escreva que já decidi, não. Vou conversar com o Mandetta sobre essa orientação.”

Nesta quarta-feira, 25, Bolsonaro voltou a dizer que há “histeria” e “comoção” com o coronavírus. “É preciso botar povo para trabalhar e preservar idosos”, afirmou. “Nós temos que tomar decisões neste momento difícil. Não sou eu que vou procurar a mídia e ter um discurso de calamidade, de histeria, como se eu fosse o pai de todos os brasileiros. Eu sou pai, entre aspas, para conduzir o destino do Brasil.”

O presidente justificou sua exposição, mesmo não seguindo as orientações de autoridades sanitárias, para levar à população “uma mensagem de paz, tranquilidade, serenidade”.

Segundo Bolsonaro, foi ele mesmo quem escreveu o discurso transmitido em rede nacional, em que contrariou todas as recomendações das autoridades sanitárias para este período de quarentena, em razão do avanço da pandemia. Houve panelaços no momento do pronunciamento. O presidente afirmou não estar preocupado com popularidade. “Estou vendo aqui que estou apanhando direto. Não estou preocupado com a minha popularidade. Eu tenho uma missão de quatro anos. Se vai ser oito, a gente vai ver em 22. Deus e o povo vão decidir”, disse ao deixar o Palácio da Alvorada.

Em linha com ele, reforçou Bolsonaro, está o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Bolsonaro falou que os profissionais autônomos estão sem trabalhar e as empresas sem produzir. Há risco, disse o presidente, de faltar dinheiro para pagar servidores públicos se a economia nacional entrar em colapso.

“O que precisa ser feito: botar esse povo para trabalhar, preservar os idosos, preservar aqueles que têm problemas de saúde, mais nada além disso. Caso contrário, o que aconteceu no Chile vai ser fichinha perto do que pode acontecer no Brasil”, afirmou Bolsonaro. “Todos nós pagaremos um preço que levará anos para ser pago, se é que Brasil não possa ainda sair da normalidade democrática que vocês tanto defendem. Ninguém sabe o que pode acontecer no Brasil”.

Sobre os idosos, o presidente disse: “Você tem que pegar o idoso e isolá-lo, com hotéis ou em casa. Cada filho, cuide de seu pai, poxa. Não quer que eu contrate uma pessoa para cuidar de cada idoso. É impossível”, afirmou. “Cara, você tem que isolar quem você pode. Você quer que eu faça o quê? Eu tenho o poder de pegar cada idoso lá e levar para um negócio? Fica aí, vai ter um pessoal para te tratar. É a família dele que tem que cuidar dele no primeiro lugar, rapaz. O povo tem que deixar de deixar tudo nas costas do poder público. Aqui não é uma ditadura, é uma democracia. A família em primeiro lugar. Esse foi o discurso que me elegeu, inclusive. Os responsáveis pela minha mãe de 92 anos são os seus meia dúzia filhos. Nós que somos responsáveis pela minha mãe no momento. Em último lugar, se não tiver ninguém, daí um asilo”, completou.

O número de mortes por causa do novo coronavírus subiu para 46 nesta terça-feira, 24, segundo o Ministério da Saúde. É o maior salto em um único dia: 12. O primeiro óbito foi registrado no dia 17 deste mês. O País já soma, desde o início da crise do coronavírus, 2.201 confirmações da nova doença.

Em todo o mundo, até agora, são quase 110 mil casos e 19 mil mortes pelo novo coronavírus.

O Estado de S.Paulo