Inicial / Repórter Brasília / Brasil vai viver momento difícil, diz Fontana
Henrique fontana

Brasil vai viver momento difícil, diz Fontana

Print Friendly, PDF & Email

Depois de definidas as etapas da escolha dos presidentes da Câmara e do Senado, no Congresso Nacional, começam as discussões para o encaminhamento dos principais desafios dos Parlamentares e do Palácio do Planalto. O deputado Henrique Fontana (PT-RS) antecipa que “o Brasil vai viver um momento muito difícil, muito duro e muito negativo, do ponto de vista da concentração de rendas que vão acontecer no país”. Segundo o deputado, “os primeiros indicativos da política econômica revelam que vai ser uma política econômica que vai gerar mais concentração de renda e, portanto, mais exclusão social e mais empobrecimento”.

Muita sabedoria

E em segundo lugar, acentua Henrique Fontana, “nós vamos ter um governo que vai com muita frequência, desrespeitar a Constituição brasileira; a própria eleição do Senado já mostra isso, onde ostensivamente o preceito constitucional foi desrespeitado”, afirmou. Para o petista, “nós vamos ter um período aonde a oposição vai ter que ter muita sabedoria e muita firmeza para atuar na defesa dos interesses de um país que de fato mantenha o equilíbrio entre as partes”.

Eliminar a oposição

“O presidente Bolsonaro se elegeu dizendo que queria eliminar a oposição, e ele vai tentar fazer isso no governo. Isto é muito ruim para a democracia, e nós vamos ter que saber resistir e recuperar uma maioria social que se preocupe com isso e que tenha esta sensibilidade”, salientou o parlamentar gaúcho.

Responsabilidade solidária

“Para um patamar básico de previdência justa para toda a sociedade, é preciso ser uma responsabilidade solidária de toda a sociedade, e não cada um por si e Deus por todos”, argumentou Henrique Fontana, acrescentando: “Isto não funciona num processo onde se queira um tecido social mais justo. Então numa proposta como esta ele vai ter dificuldades em constituir maioria, e assim nós vamos tratar ponto a ponto”, prometeu.

Quatro Irmãos, o pequeno gigante

Adilson de Valle (PP), prefeito de Quatro Irmãos, no Rio Grande do Sul, veio à Brasília para resolver algumas pendências do município em relação a recursos e pagamento. Esteve também no Congresso Nacional para estabelecer contato com os novos deputados e retomar as conversas com os antigos, que já tem uma relação de apoio à região. Segundo o prefeito, “é a hora de pleitear recursos”.  Segundo ele, “a partir da segunda quinzena de fevereiro, os parlamentares fazem a indicação das emendas impositivas, e, no caso de municípios pequenos, essas emendas são muito importantes”.

Acesso Asfáltico

O município de Quatro Irmãos tem uma população de 1.850 habitantes. Com nove anos de emancipação, o município é um gigante na produção de soja na região do Alto Uruguai. Como a maioria dos pequenos municípios, o acesso asfáltico é o maior problema de Quatro irmãos. São apenas 17 quilômetros até Erebama, mas a solução não sai da promessa.