22 de novembro de 2017
Inicial / Repórter Brasília / Chega de coisinhas Insignificantes, diz Lasier Martins

Chega de coisinhas Insignificantes, diz Lasier Martins

Print Friendly, PDF & Email

No Congresso, na expectativa de parlamentares, pouco vai acontecer esta semana, com um feriado no meio do caminho. O mais provável é que na próxima semana alguma coisa possa andar. Sobre a discussão das pendências para entrarem em votação no Senado, Lasier Martins (PSD-RS), afirmou que “nós dependemos da pauta do Eunício Oliveira (presidente do Senado). Falam muito nestas grandes reformas, a tributária e a previdenciária. Estou disposto a discutir, mas acho que não há mais tempo para isso”. Na avaliação do senador, “são coisas muito sérias para tão pouco tempo. Importante são as reformas tributária e previdenciária, chega de coisinhas insignificantes”. Sobre as reformas, Lasier Martins afirmou que no Senado, “a reforma tributária nunca chegamos a discutir. Acho que é muita espuma e pouca coisa concreta. Estamos na dependência da pauta do presidente do Senado. Deveríamos tratar de um esforço concentrado neste fim de ano, para deliberar coisas importantes, como as duas reformas”, acentuou o senador gaúcho. Para Lasier, “no ano que vem, ano eleitoral, não vai acontecer nada”, avaliou.

Semana para justificar

Um feriado amanhã e uma viagem do presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ), contribuíram para a Câmara dos Deputados não votar os grandes assuntos pendentes. A ida de parlamentares, em Brasília, acabou sendo só para justificar presença; avaliam alguns deputados. Para José Stédile (PSB-RS), é uma chance para uma avaliação e discussão sobre a reforma tributária. Outro assunto em pauta como a CMPI da JBS, está fadado a não andar pelo que estou sentindo, ninguém quer mexer muito, porque, todo mundo está meio enroscado”. Stédile assume hoje, a presidência do PSB no Rio Grande do Sul. Teve 60% dos votos dos delegados.

Mais Chances

Na opinião de José Stédile, a Reforma Tributária é o que tem mais chance de progredir. Já a Reforma Previdenciária terá maior dificuldade. Segundo o parlamentar, essa semana não começa o debate, até porque o Rodrigo inventou essa viagem, e ainda o feriado no meio. Acho que essa semana é mais para justificar que ele vai dar uma semana livre depois do feriadão do dia 15”, comentou Stédile.

Reforma Política

A Reforma Política está encerrada, afirmou Stédile; acrescentado que para o próximo ano estão praticamente definidas as regras. Foi aprovado aquele fundão, que é com os recursos que seriam gastos com a propaganda eleitoral gratuita, aquela dos partidos não é; – que não vai existir mais. E com uma parte isso já garantiria os recursos para os partidos. O que tem que se fazer talvez, é tirar algumas dúvidas a respeito de como é que vai ser feita a distribuição desses recursos, que ainda não está bem regulamentado”, disse o deputado. Lembrou que a Reforma Política, não vai proibir coligação, apenas a partir das eleições municipais. Na do ano que vem, continua tudo como está”. Segundo Stédile, tudo deve começar a acontecer da próxima semana em diante. “Acho que tem uma pré-disposição, que eu sinto dos deputados, em trabalhar mais a Reforma Tributária”, concluiu.