Inicial / Outras Notícias / Chico Vigilante protesta em nota contra declarações de Joaquim Barbosa

Chico Vigilante protesta em nota contra declarações de Joaquim Barbosa

Print Friendly, PDF & Email

“Tenho 58 anos de vida. Trinta e três deles dediquei à fundação, crescimento e fortalecimento do Partido dos Trabalhadores, ao qual pertenço, com muito orgulho. Um partido sério, cuja história se mescla à do Brasil, aos momentos importantes da caminhada do país rumo à abertura política e à construção de um novo paradigma de Nação: crescer juntamente com a diminuição das  desigualdades sociais.

Quando o presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, critica os partidos políticos afirmando que são de mentirinha e que atualmente o Congresso é inteiramente dominado pelo Executivo, ele não está tendo a postura de um magistrado, ele está apostando na polêmica pela polêmica, na construção de uma crise que em nada contribuirá com a Nação.

O ministro deveria se lembrar que foi também devido à  luta do PT durante os anos de ditadura que ele hoje pode se manifestar, inclusive para criticar o Legislativo e o Executivo, posições que não se coadunam com a de presidente do STF, a quem caberia sim, muito mais, zelar pela harmonia entre os três poderes, ameaçada ultimamente por outras provocações suas.

O próprio STF parece não ter aprovado as declarações de Barbosa. Para que o caso não se transforme num novo embate entre Legislativo e Executivo, o Supremo distribuiu nota lembrando que o ministro se valeu da liberdade de ensinar para expor sua visão acadêmica sobre o assunto, uma vez que a declaração foi dada em palestra para estudantes universitários, em Brasília.

Reações às declarações de Barbosa vieram de todos os partidos e de setores também fora do Legislativo. O discurso é unânime: foi um grande equívoco do ministro tratar da questão da maneira desrespeitosa como tratou. Isso demonstra mais uma vez seu despreparo para ocupar o cargo que ocupa.

Volto a defender publicamente: devemos repensar a fórmula de nomeação dos ministros do Supremo. Não queremos ter na mais alta Corte do país magistrados exprimindo opiniões ditatoriais, como se por lá estarem fossem os donos da verdade.”

Um Comentário

  1. Muito bem Edgar Lisboa. Está mais do que na hora, de aparecer os dois lados dessa realidade. Se há côncavo é porque existe o convexo. A crítica deve existir, sempre. Porém, é preciso que sejamos, sobretudo, honestos em divulgá-la com cobertura ampla. Um abraço.