19 de julho de 2018
Inicial / Repórter Brasília / Coluna Repórter Brasília
Está virando moda tomar multas entre os pré-candidatos à Presidência. Depois de Dilma Rousseff (PT) ser multada, agora pode ser a vez de Marina Silva (PV). O Ministério Público Eleitoral (MPE) acusou Marina Silva (PV) de propaganda antecipada. Na representação, os procuradores afirmam que, em evento realizado pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, em 11 de maio, no qual a pré-candidata do PV recebeu o título de cidadã honorária do estado, havia um banner enorme com os dizeres: “Marina é a cara do Brasil”.

Coluna Repórter Brasília

Print Friendly, PDF & Email

Marina pode ser multada

Está virando moda tomar multas entre os pré-candidatos à Presidência. Depois de Dilma Rousseff (PT) ser multada, agora pode ser a vez de Marina Silva (PV). O Ministério Público Eleitoral (MPE) acusou Marina Silva (PV) de propaganda antecipada. Na representação, os procuradores afirmam que, em evento realizado pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, em 11 de maio, no qual a pré-candidata do PV recebeu o título de cidadã honorária do estado, havia um banner enorme com os dizeres: “Marina é a cara do Brasil”. A multa pode variar de R$ 5 mil a R$ 25 mil, o que para um partido com o orçamento do PT não significa nada, mas para o PV, já é alguma coisa.

Medo da inflação

A partir de hoje, os parlamentares terão que lidar com um corte no Orçamento de R$ 7,6 bilhões encaminhado pelo Executivo, na última sexta-feira (21). O corte é um sinal ao Congresso que o governo quer esfriar um pouco a economia para evitar a volta da inflação. Para o mercado internacional, representa que o Brasil está atento aos gastos, o que é muito importante em um cenário onde países europeus, como por exemplo, a Grécia, enfrentam problemas de falta aguda de credibilidade com investidores por conta dos déficits em suas contas.

Reforço para 2012 na energia

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) licitará, no dia 11 de junho, mais de 700 km de linhas de transmissão e 11 subestações, que vão reforçar a rede básica, a partir de 2012. As obras, a serem implantadas em São Paulo, Rio Grande do Sul, Pará, Maranhão, Mato Grosso, Alagoas e Bahia, vão custar R$ 700 milhões e gerar 3,4 mil empregos diretos.

Insuficiente, mas bom

“Mesmo sendo pouco abrangente, é um marco”. Essa é a avaliação do senador Pedro Simon (PMDB) sobre o projeto Ficha Limpa. Segundo o peemedebista, o Brasil começa a mostrar que quer deixar de ser o país da impunidade. “Não acabamos com a tese, mas começamos uma caminhada que pode chegar lá: um país onde gente séria fica na política e gente corrupta fica de fora”, disse. Para Simon, a simples existência do projeto já gera frutos, pois os partidos estão começando a se preocupar com a vida pregressa dos candidatos.

Curtas

– Chegou ao Senado Federal o pedido de autorização do Executivo para que a prefeitura de Passo Fundo pegue empréstimo de US$ 9,8 milhões com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Os recursos destinam-se ao “financiamento parcial do Programa de Desenvolvimento Integrado do Município”.

– A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) concedeu a uma pesquisa brasileira o primeiro lugar em um concurso sobre segurança alimentar. O estudo demonstrava a produção e o consumo de alimentos em Dois Irmãos (RS).

– O deputado Silas Câmara (PSC-AM) pediu ao ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, informações sobre o programa Terra Legal, em seis municípios amazonenses: Coari, Codajás, Eirunepé, Envira, Fonte Boa e Guajará.