Inicial / Notícias / De Cruz Alta ao Irã, trajetória de um jornalista gaúcho

De Cruz Alta ao Irã, trajetória de um jornalista gaúcho

Print Friendly, PDF & Email

José Antonio Severo

“De Cruz Alta ao Irã, Memórias de um Jornalista” é o livro de autobiografia do gaúcho Gilberto Lenuzza Pauletti, reconstruindo sua trajetória desde a infância, junto aos avós, pais e irmãs, no interior do rio Grande do Sul, até sua nutrida carreira como repórter, editor e chefe de redação nos maiores jornais do País.

É um relato rico, saboroso, que é o espelho de uma geração de profissionais de imprensa que predominaram no mercado a partir da segunda metade dos anos 1960 . Até a mídia impressa sucumbir no embate com as redes sociais, no Século XXI, foi um mercado profissional muito ativo, que manteve em atividade pessoas de alta qualificação acadêmica, como é o caso de Pauletti, graduado em jornalismo pela Faculdade de Filosofia, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Pauletti é um exemplo vivo do que foi uma geração de jornalistas que construiu e comandou o noticiário no período mais exuberante desse setor. Nesse hiato que viveu a imprensa escrita, entre a atual mídia destroçada econômica e profissionalmente, e sua origem anterior, ligada a interesses, partidos, chefes e chefetes políticos, houve um período em que os órgãos de comunicação tiveram grande influência, formavam opinião e, principalmente, eram independentes, isentos e razoavelmente imparciais, se comprados aos dias de hoje. Foi o tempo dos grandes veículos de empresas tradicionais e consolidadas, que tiveram força para influir no País, antes de serem tragadas pelo turbilhão que veio com a disseminação de informação nas redes sociais. Pauletti relembra aqueles tempos, com sua própria história. Vale a pena ler, principalmente se o leitor for interessado nesta temática.

Em sua trajetória, Pauletti revisita todas essas redações. Ali estão as revistas Veja e Quatro Rodas, os jornais Zero Hora, O Globo, Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil e Correio Braziliense. A nata da imprensa em papel. Também fala de sua experiência noutro nicho do mercado, como assessor de imprensa no Ministério do Meio Ambiente, na Confederação Brasileira de Volibol e na Petrobrás. Entretanto, não passou pela tevê nem pelas tais mídias sociais de hoje em dia. É um jornalista puro-sangue, no sentido mais claro da palavra.

Como integrante dessas redações, Pauletti leva o leitor a grandes matérias que realizou no País e no Exterior, com passagens pela Bolívia, Uruguai, Portugal, Alemanha, Itália, Bélgica e ao longínquo Irã, que está no título da obra.

Editado e distribuído pela Já Editores, de Porto Alegre, o livro foi lançado em Porto Alegre na semana passada e já está a caminho das vitrines das livrarias de todo o País, especialmente nas cidades em que Pauletti trabalhou e deixou um vasto círculo de amigos, seguidores e admiradores, como São Paulo, Rio e Recife, onde haverá lançamento com tarde de autógrafos.

Livro oportuno neste momento em que o combate às fake news é colocado equivocadamente como uma manobra administrativa, quando o que faz falta são jornalistas de primeira linha, tais como Gilberto Pauletti.

Blog Edgar Lisboa /José Antonio Severo

Um Comentário

  1. Elmar Bones da Costa

    Obrigado amigo Edgar Lisboa pelo espaço. Bela resenha severiana. Grande abraço