16 de dezembro de 2018
Inicial / Notícias / Educação alimentar é servida com almoço nos restaurantes comunitários
Educação alimentar é servida com almoço nos restaurantes comunitários - Blog Edgar Lisboa. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Educação alimentar é servida com almoço nos restaurantes comunitários

Print Friendly, PDF & Email

Ao longo do mês de abril, os restaurantes comunitários do Distrito Federal recebem atividades de educação alimentar na hora do almoço. Os debates, com temas variados, têm o intuito de promover maior conscientização sobre o consumo saudável dos alimentos.

O projeto é coordenado pela Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, por meio da Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional.

Mediado por nutricionistas da pasta e da empresa licitada de cada restaurante comunitário, o ciclo de ações, iniciado na primeira semana do mês, busca orientar a população sobre o assunto nutricional sugerido e tirar dúvidas.

A última edição ocorreu no restaurante de Santa Maria, na quinta-feira (12). Gabriely Caroline Soares, nutricionista da Ciga Cozinha Industrial e Gestão Alimentar Ltda. – empresa responsável pela unidade –, explicou que a proposta tem sido bem recebida pelos frequentadores.

“Muitas pessoas vêm tirar dúvidas e se impressionam com a quantidade de sal e açúcar presente nos alimentos que elas consomem diariamente”, comentou Gabriely.

Para ela, a ideia de montar um espaço de diálogo nos restaurantes comunitários é interessante. “Recebemos muitas sugestões da própria população, e essa troca é positiva. Às vezes a mudança é coisa simples”, expôs a nutricionista.

Os restaurantes de Planaltina, Brazlândia e Sobradinho e Santa Maria também já foram contemplados. A ideia é proporcionar um encontro por mês em cada unidade.

As regiões de Ceilândia e do Gama serão as próximas a receber o projeto nesta terça-feira (17), a partir das 11 horas. Para participar, basta ir à unidade na hora das atividades.

De acordo com o subsecretário de Segurança Alimentar e Nutricional, João Roberto Oliveira de Sousa, os encontros foram marcados na hora do almoço para aproveitar o grande fluxo de pessoas nas unidades.

A exceção é o do Sol Nascente, onde o perfil dos frequentadores se concentra mais no período da manhã. A ideia é que os debates ocorram até o fim do ano.

Atividades de educação alimentar no mês de abril
Data Restaurante Comunitário
17 de abril CeilândiaDas 11 às 14 horas

Tema: Benefícios do azeite e gorduras saudáveis

GamaDas 11 às 13 horas

Tema: Alimentos perecíveis e não perecíveis: formas corretas de armazenamento

19 de abril Riacho Fundo IIDas 11 às 14 horas

Tema: Orientações Nutricionais para a prevenção de diabetes tipo 2

25 de abril EstruturalDas 11h30 às 14 horas

Tema: Consumo de sódio

Recanto da EmasDas 11 às 12 horas

Tema: Benefícios dos sucos funcionais para a saúde

26 de abril SamambaiaDas 11 às 13 horas

Tema: Orientações nutricionais para a prevenção de diabetes tipo 2

São SebastiãoDas 12 às 14 horas

Tema: Os efeitos da alimentação saudável na saúde e qualidade de vida

Sol NascenteDas 7 às 9 horas

Tema: Orientações nutricionais para a prevenção de diabetes

28 de abril ItapoãDas 11 às 12h30

Tema: Higienização dos alimentos. Ações preventivas

ParanoáDas 11 às 11h30

Tema: O consumo de produtos industrializados

Refeições balanceadas com baixo custo

Os restaurantes comunitários são equipamentos públicos de segurança alimentar e nutricional em que são oferecidas refeições saudáveis a preços acessíveis.

A iniciativa visa garantir o acesso à alimentação adequada para a população em situação de vulnerabilidade social. Para assegurar o benefício, o governo complementa o valor das refeições. O subsídio é, em média, de R$ 4,80 por prato.

No Distrito Federal existem 14 restaurantes comunitários que vendem diariamente cerca de 18 mil refeições. O valor varia de R$ 1 — para inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) do governo de Brasília — a R$ 2 para o público em geral.

Para se inscrever no CadÚnico é preciso ter renda familiar mensal de até R$ 2.811 (o equivalente a três salários mínimos) ou de até R$ 440 per capita.

Para solicitar o cadastro é necessário ligar para o telefone 156 e marcar atendimento em um dos centros de referência de assistência social (Cras).

Desde janeiro, os restaurantes de Brazlândia e do Paranoá vendem café da manhã por R$ 0,50. O cardápio oferece opções como: café, leite ou pingado, pão com manteiga, bolo, achocolatado e uma fruta da época.

O restaurante do Sol Nascente foi o primeiro a ofertar café da manhã, com o serviço iniciado em 2016. As três unidades vendem diariamente 2.500 cafés da manhã.

Fonte: Agência Brasília