Inicial / Notícias / Equilíbrio na gestão reforça posição de Yeda Crusius

Equilíbrio na gestão reforça posição de Yeda Crusius

Print Friendly, PDF & Email

O jornalista Erico Valduga comenta hoje em seu blog que a governadora Yeda Crusius (PSDB) tem sua candidatura reforçada pela política de gestão que vem implementando no Rio Grande do Sul. O novo resultado da gestão pública estadual que equilibra a receita e a despesa, com investimentos crescentes, vai influir na decisão do PP de apoiar a reeleição de Yeda.Transcrevemos, a seguir,o comentário publicado no “Periscópio”.

governadora Yeda Crusius Foto: Divulgação
governadora Yeda Crusius Foto: Divulgação
Receita e despesa equilibradas, pelo segundo ano seguido, aumento de investimentos em saúde, educação e segurança, e elevação dos valores transferidos aos municípios. Esta é a síntese do resultado da administração estadual em 2009, na comparação com o ano anterior, anunciado ontem pela governadora Yeda Crusius. O resultado para a qualidade de vida da gauchada – que é o que interessa – poderia ser melhor, diriam vocês, se observado o volume total de recursos orçados, de R$ 23.3 bilhões, dos quais R$ 7.4 bilhões aplicados nas três áreas mencionadas, ante R$ 6.7 bilhões de 2008. Poderia ser melhor, é verdade, não fosse este o segundo resultado equilibrado das três últimas décadas, e aí está o seu ponto mais importante. A partir de agora, a sociedade riograndense não aceitará mais déficits na contas, pois provado está que pode haver empate, ao menos, entre o que o Tesouro arrecada e gasta. A paridade tornou-se uma questão de Estado, e não de governo, bem observou a chefe do Executivo.

Reforçada pelos números positivos do terceiro ano de sua administração, em mandato conquistado exatamente sob o mote do déficit zero, dona Yeda é mais candidata hoje do que ontem à reeleição. Está enganado quem pensar que o seu potencial eleitoral foi comprometido pela onda denuncista contra ela ao longo dos dois últimos anos. Ao perceber que as denúncias eram vazias, uma parcela do eleitorado médio (não ligado a partido, que é a maioria) tenderá a compensá-la por ter sido vitimada, e esta tendência, de expressão agora inestimável, será estimulada pelo seu desempenho provado como gestora pública. Não se surpreendam se, salvo algum fato novo de importância, a governadora beliscar uma das duas vagas do primeiro turno, ainda mais se confirmado o apoio do PP à sua indicação.