Inicial / Mil palavras / Estados do Sul fecham com Simone Tebet para presidente nacional do MDB 

Estados do Sul fecham com Simone Tebet para presidente nacional do MDB 

Print Friendly, PDF & Email

José Antonino Severo

A senadora Simone Tebet (MDB/MS) fechou apoio dos estados do Sul para ser a nova presidente nacional do MDB. Segundo o cardeal emedebista Alceu Moreira (MDB/RS), ela está com apoio total dos estados de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e, “naturalmente de Mato Grosso do Sul. O partido vê nela uma força para romper o círculo de ferro do senador Renan Calheiros”, referindo-se ao segmento nordestino que o líder alagoano herda do ex-presidente José Sarney.

Assim está posta a disputado no MDB. “O Baleira (Rossi – MDB/SP) é um rico de um nome, mas precisamos de algo novo, adequado aos novos tempos”, diz o parlamentar que é, também, o presidente da Frente Ruralista, o grupo pluripartidário mais poderoso do Congresso Nacional.  Baleia Rossi também estaria se colocando como opção para derrotar, na convenção nacional do mês que vem, o grupo situacionista, que tem como presidente o ex-senador de Roraima Romero Jucá.

Segundo Moreira, Simone Tebet vem se revelando uma liderança muito segura e consistente no Senado Federal, no entender dos emedebistas. Além disso, somam-se o fato de ser mulher e trazer o DNA de um líder consagrado na História do partido, o falecido senador Ramez Tebet, seria uma base solida com a configuração necessária ao relançamento do partido no atual momento.

A meta é recolocar o MDB no cenário nacional como protagonista. Para isto, as eleições do ano que vem serão fundamentais, pois esse pleito é a antessala da reforma política e partidária que vem por aí. Nestas eleições os partidos terão de concorrer com suas próprias legendas, sem o reforço das coligações proporcionais. Daí sairá a configuração do futuro modelo de organização partidária que vai se sustentar na reforma política em andamento.

Ou seja: Simone Tebet vai pilotar da nave emedebista no voo solo, sem as bengalas das coligações oportunistas que vigoraram no passado.

Blog Edgar Lisboa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *