Inicial / Repórter Brasília / Filha do fazendeiro famoso

Filha do fazendeiro famoso

Print Friendly, PDF & Email

“Você não gosta de mim, mas sua filha gosta”, diz a canção de Chico Buarque. Comum é os filhos discordarem dos pais, como a moça da música. Nestes dias, uma jovem ambientalista gaúcha, embora não seja vinculada às militâncias, está sendo acusada de ser “filha de um fazendeiro famoso”, sem citar-se o nome desse pai nem que fama seria esta. Entretanto, bastou isto para a demonização da engenheira-agrônoma Maíra Santos de Souza, nomeada para dirigir a reserva ecológica da Lagoa do Peixe.Tamanha celeuma deve-se ao desmonte pelo Ministério do Meio Ambiente da equipe que comandava aquele espaço.

Muito Jovem

A nova diretora, é acusada de ser muito jovem, 25 anos, e de ser produtora de soja e arroz. É razoável que a doutora Maíra sendo agrônoma trabalhe no setor agrícola. Também é pertinente que sendo arrozeira, uma lavoura irrigada, seja uma especialista em hidrologia. Com essas credenciais, administrar uma lagoa estaria na sua especialidade.

Mudança de chefia

Também foi levantado que ela seria indicada pelo deputado federal Alceu Moreira (MDB/RS), presidente da Frente Ruralista, o que corroboraria as suspeitas de que a nova direção estaria acobertando interesses inconfessáveis. Não fosse isto, que estaria fazendo o parlamentar interferir no processo? Não se falou que a Lagoa do Peixe, localizada nos municípios de Tavares, Mostardas e São José do Norte está na área de influência do parlamentar, que tem sua base nessa região. Foi prefeito de Osório, uma das cidades daquela fatia do litoral riograndense.

Nada disso foi considerado pelo noticiário. No entanto, a mudança da chefia na Lagoa do Peixe converteu-se em escândalo nacional, tamanha a capacidade de mobilização dos grupos interessados nos cargos.

Em fase de demonização

O deputado Alceu Moreira está em fase de demonização, junto com a ministra da Agricultura Tereza Cristina. Ambos estão sendo apresentados não só ao País, mas também no Exterior, como exemplos de uma campanha de destruição da natureza em curso no Brasil, produzida por um conluio entre os produtores rurais e o atual governo. Essa é uma questão política que tende a crescer de forma incontrolável.

Lagoa do Peixe

A pequena Lagoa do Peixe, com seus 36 km ao comprido, por dois mil metros, entre as dunas que separam a Lagoa dos Patos do Oceano Atlântico, é apresentada como se fosse o maior viveiro de aves limícolas, que deixarão de voar por falta de ponto de apoio nas suas rotas de migração entre o norte e o sul do Hemisfério. É verdade: sendo viveiro de camarões rosa, tainhas e linguados, a laguna (comunica-se como mar) de águas salgadas oferece refeições aos pássaros, mas as escalas dos bandos numerosos são no sistema das grandes lagoas que vão se Torres até a fronteira uruguaia.

Desemprego de militantes

Por fim, o pomo da discórdia: a população local vivia de pescar na Lagoa do Peixe e foi proibida de chegar às sujas margens, criando-se um problema social e econômico. A intransigência dos ambientalistas radicais criou um conflito e gerou desemprego numa das populações mais carentes do Rio Grande do Sul. Fora isto, vai causar desemprego de militantes. A filha do fazendeiro pode ser como a moça de Chico Buarque.