Inicial / Repórter Brasília / Incertezas e queda de braço no Tamanho da Reforma
Governadores sabem que o benefício, na MP, se aprovada a Reforma em Brasília, pode ser estendida a todos. Por isso, dois discursos diferentes.

Incertezas e queda de braço no Tamanho da Reforma

Print Friendly, PDF & Email

O cenário político está bastante nebuloso em relação à Reforma da Previdência. Um emaranhado de incertezas e queda de braço entre governo e congressistas, promete muitas emoções no que diz respeito, principalmente, a inclusão dos Estados e Municípios na nova previdência. Entre os motivos, está uma certa preocupação do Palácio do Planalto de turbinar os prováveis adversários eleitorais de 2022.

Governadores já admitem

Daniel Coelho

Alguns governadores já admitem estarem fora dos planos do Congresso Nacional. Com mais de cem assinaturas, uma emenda do deputado Daniel Coelho (Cidadania-PE) deixa claro que não discute Previdência se os Estados não forem retirados. “É inegociável”, acentua o parlamentar.

Norte e Nordeste

Giovani Feltes

O deputado Giovani Feltes (MDB-RS), ex-secretário da Fazenda do Rio Grande do Sul, afirma que fica mais claro, de um modo geral, que nas regiões Norte e no Nordeste, as manifestações de deputados mostram que existe uma maior dificuldade de, eventualmente entender a Reforma da Previdência como necessária, e até apoiá-la. Na opinião do deputado, “um universo enorme de governadores, especialmente nessas duas regiões do país fazem muitas vezes um discurso da necessidade da Reforma quando vem a Brasília, mas lá nos seus quintais, eles acabam falando que a Reforma tira dos pobres, e que é ruim”, reclamou.

Ônus para os outros

Na avaliação do parlamentar emedebista, os governadores querem levar o benefício porque sabem que as suas finanças estão um pouco em dificuldade. “Sabem que o benefício, na medida em que aprovada a Reforma em Brasília, pode ser estendida a todos, mas deixando o ônus para os outros”. Outra coisa que o deputado disse que observa nas redes sociais, “é um universo bastante crítico de deputados estaduais, de partidos que eventualmente estão pré-disposto a auxiliar na questão da Reforma da Previdência, mas gravam mensagens que são radicalmente contra”.  Os deputados federais reclamam: “Sim, eles hoje dizem que são contra porque não são eles que vão votar, nós ficamos com todo o ônus de desgaste aqui e, amanhã eles disputam a federal e ficam numa boa”, avalia.

Trapalhadas e falta de foco

Eduardo Bolsonaro

Para o parlamentar, “as próprias trapalhadas e declarações intempestivas do governo, a falta de foco; definitivamente, para que as coisas possam efetivamente acontecer do ponto de vista da Reforma não estão auxiliando”. Na opinião do congressista, “falta um esclarecimento, com a participação mais clara do governo. Confessadamente eu me ressinto, me faz falta”, afirma Feltes. Para o congressista, falta um esclarecimento com a participação mais clara do governo. Acredita que uma manifestação, um vídeo, do presidente da Comissão de Relações Exteriores, deputado Eduardo Bolsonaro, dizendo que antes ele era contra a Reforma, que achava que tinha algumas outras soluções. Segundo Feltes, Eduardo Bolsonaro, com mais de 1 milhão mil voto, em São Paulo, poderia usar o seu capital político e seguidores, como grande influenciador que ele é, e explicar porque agora o país precisa da Reforma da Previdência.Com isso, facilitaria para que os seus colegas possam votá-la mais tranquilamente”.

Explicar melhor

Segundo Giovani Feltes, não basta os governadores, o presidente dizerem que são favoráveis; tem que explicar um pouco melhor as razões, que não é tão difícil assim, porque que a pessoas não se aposentam com 61 anos e meio na sua imensa maioria, que a coisa realmente corta privilégios. E quem está falando aqui é alguém disposto a colaborar para que a Reforma da Previdência passe com algumas eventuais alterações”, frisou.

Bronca por cargos

Osmar Terra

O ministro da Cidadania do Brasil, Osmar Terra, esclarece que o deputado Alexandre Frota (PSL-SP) não emplacou seis indicações no ministério. “Pelo contrário, só o secretário de Audiovisual, Pedro Peixoto”. E justamente pelo fato de o ministro não ter aceito suas indicações, que o parlamentar passou a atacá-lo. A bronca de Frota é por cargos…