Inicial / Notícias / Livro traz origem de nomes de
pratos batizados por famosos

Livro traz origem de nomes de
pratos batizados por famosos

Print Friendly, PDF & Email

Gastronomia e celebridades sempre andaram juntas, inclusive com batismo de muitos pratos utilizando o nome de pessoas famosas e outras nem tanto. Essa relação que fez com que o professor de literatura italiana, Fabiano Dalla Bona, pesquisasse e estudasse para lançar o livro  “Fama à Mesa”.

Uma das curiosidades, por exemplo, volta para o século XVI, quando o chef de cozinha Bartolomeu Scappi, do Papa Pio V, penou na cozinha do Vaticano para agradar à Sua Santidade até saber que o que realmente ele queria diariamente era apenas verduras cozidas com sal e azeite de oliva e servidas com uma porçãozinha de pão.

Em outro capítulo denominado Receitas Musicais, Fabiano expõe como Tom Jobim apelidou um prato no restaurante Plataforma, no Rio de Janeiro, de Frango Atropelado, restaurante muito frequentado na época pelo músico. “Era início dos anos 90 e começamos a servir o frango desossado. Tom olhou para o prato e começou a rir bastante.”, afirma o proprietário do estabelecimento, Alberico Campana. “Parece que um caminhão passou por cima dele, esse é o Frango Atropelado”, recorda-se Alberico de Tom Jobim falando. Grande parte dos clientes perguntam atualmente sobre o motivo do nome a a história é contada diariamente pelos garçons.   

Outro personagem que faz parte do livro é o político Oswaldo Aranha. Segundo o autor, como todo gaúcho, Aranha também era louco por carne. Na década de 30 ele freqüentava o Restaurante Cosmopolita, na Lapa, no Rio de Janeiro, inaugurado em 1926. Lá inventou de colocar o alho frito na manteiga em cima do bife. Dalla Bona só lamenta não ter encontrado nas pesquisas o nome do primeiro cozinheiro a fazer o prato para Oswaldo Aranha.    

O Bacalhau a Gomes de Sá, presente em cardápios de pratos portugueses em todo o Brasil, surgiu através de um sujeito simples, conhecido como João Luiz (1851-1926) que após a morte do pai trabalhou no Restaurante Lisboense. A diferença era que ele marinava as lascas de bacalhau em leite quente o que agregou sabor diferenciado ao prato e acabou dando o nome de Gomes de Sá, como era conhecido o cozinheiro pelos amigos.  

O livro também traz as receitas de todos os pratos pesquisados e citados pelo autor. Editora Tinta Negra.

 Rogério Lisbôa – Agência Texto Final de Notícias