Inicial / Repórter Brasília / Mais candidatos na disputa pelo comando do MDB
Ibaneis Rocha alinha financiamentos e operações de crédito com o BB - Blog Edgar Lisboa. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Mais candidatos na disputa pelo comando do MDB

Print Friendly, PDF & Email
Alceu Moreira

Cresce o número de candidatos para o comando do MDB Nacional. Candidatos: Alceu Moreira,l presidente da Frente Ruralista e do Partido no Rio Grande do Sul, Helder Barbalho, governador do Pará, com o respaldo de seu pai, Jader Barbalho; Carlos Marun, escudeiro de Michel Temer e Ibaneis Rocha, com o respaldo de resgatar o MDB da Capital da República com 70% dos votos. Uma briga que promete.Pelo menos, um consenso: renovação.

A disputa pelo comando nacional do PMDB ganha novas proporções com a pretensão do governador Helder Barbalho (PA) de disputar a presidência nacional do partido, enfrentando o deputado federal gaúcho, Alceu Moreira, presidente da poderosa Frente Ruralista. Os dois candidatos naturais eram Michel Temer e Romero Jucá, que estão fora do páreo. Agora, a tendência é o comando da legenda ser entregue para lideranças de fora do eixo Nordeste/Sudeste, expandindo-se para os extremos sul e norte do País. O nome cogitado, até a última semana, era de Alceu Moreira, que como líder da maior frente parlamentar no Congresso, poderia dar uma turbinada do MDB de Pedro Simon. A força seria ainda maior com o respaldo da ministra Tereza Cristina, ex-presidente da Frente e representante da bancada no governo de Jair Bolsonaro, que faz um bom trabalho à frente do Ministério da Agricultura.

Essa configuração engrossa a voz de Moreira para ser uma figura central na Câmara. O jovem governador paraense, Helder Barbalho, traz na bagagem, o respaldo de seu pai, Jader Barbalho, também ex-governador, ex-ministro, ex-presidente do Senado e parlamentar há décadas, desde os a nos 1970. No paralelo, chega Carlos Marun, ex-ministro Chefe da Secretaria de Governo de Michel Temer, com certeza com o apoio do ex-presidente. Agora, com grande articulação, o governador do Distrito federal, Ibaneis Rocha também está no páreo.

Comércio com os EUA

Comissão de Agricultura aprova audiência pública para discutir abertura comercial com os EUA. Requerimento do deputado Jerônimo Goergen (Progressistas-RS) tem como objetivo avaliar impactos econômicos da entrada do trigo, suíno e etanol norte-americano. A comissão pretende discutir a nova política de comércio exterior e os seus efeitos para o agronegócio.

Impactos econômicos

Segundo o parlamentar, em recente visita aos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro assinou uma série de memorandos de entendimento que, na prática, abrem o mercado brasileiro para os produtos norte-americanos, como trigo, carne suína e etanol. “Queremos entender quais os impactos econômicos disso tudo e também como funcionará a promessa de contrapartida na exportação de carne bovina”, explicou. Na mesma sessão, a Comissão de Agricultura também aprovou um requerimento que determina a realização de um debate sobre o seguro agrícola.

CPI do BNDES

O deputado federal Lucas Redecker, foi indicado pelo PSDB para integrar a CPI do BNDES, instalada na Câmara dos Deputados. “Vamos investigar os contratos firmados entre 2003 e 2015, inclusive aqueles empréstimos polêmicos a outros países. Há muitos indícios de irregularidades, e se forem confirmadas, vamos encaminhar à Justiça e ao Ministério Público para que esse dinheiro seja recuperado”, afirmou Redecker.

Frente Evangélica

O deputado Silas Câmara (PRB-AM), eleito presidente da Frente Parlamentar Evangélica afirmou que o foco principal de sua gestão “é a defesa dos princípios cristãos, da família, da vida, das crianças e ser contra a ideologia de gênero”. O parlamentar explicou que 1.798 projetos tramitam contra princípios defendidos pela Frente. A Frente apoia a votação da Nova Previdência, Pacto Federativo e das grandes pautas, com um olhar de equilíbrio, “a nossa posição é inteiramente a favor que esses ajustes aconteçam a nação, o nosso grande desafio é ser respeitado como Instituição e como Poder”.