Inicial / Destaques / Nacionalidade do Corona
Peniel Pacheco

Nacionalidade do Corona

Print Friendly, PDF & Email

Peniel Pacheco

O mundo inteiro ficou sabendo pela boca de Trump que o vírus supostamente era de nacionalidade chinesa, no que foi seguido pelo clã Bolsonariano.

Curiosamente o mandatário americano não exigiu certidão de nascimento nem passaporte (como faz com os mexicanos, brasileiros e demais emigrantes nas fronteiras do seu país), mas alcunhou o monstrinho com a nacionalidade que lhe pareceu mais conveniente.

Contra os indesejáveis invasores humanos a regra é clara: muros, prisões, humilhações, deportações.

Porque não fez o mesmo com o vírus? Não fez porquê vírus não tem olhos puxados, cabelos lisos, pele amarela, ou qualquer outra característica que se utiliza para distinguir as etnias humanas.

O vírus não tem cara nem alma de gente (bem ao estilo de alguns que se dizem humanos, mas se parecem mais com vírus).

O vírus é  um ser natural do mundo que, para sobreviver e se nutrir, precisa de um hospedeiro.

O vírus é desumano: ele não escolhe cor, nacionalidade, idade, classe social, nível cultural ou qualquer outra adjetivação que nós humanos utilizamos para segregar em suas respectivas redomas ou guetos àqueles que não fazem parte da nossa “raça”.

O vírus é e será sempre um forasteiro entre nós, como forasteiros são aqueles que, por não se enquadrarem em certos critérios de seletividade, desagradam aos poderosos.

O vírus não precisa de uma pátria, pois não passa de um “verme”.

O estranho de tudo isso é que alguns humanos, apoiados em sua própria arrogância e prepotência, têm a ousadia de tentar transformar “vermes” em humanos e humanos em “vermes”.

Aí vem um ser microscópico, sem pátria e sem nacionalidade e os afronta e os humilha perante os olhos atônitos do mundo inteiro, sem se importar sob qual bandeira se escondem os mais “poderosos” dentre os humanos!

Maldito Corona!

Peniel Pacheco é ex-deputado Distrital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *