Nove em cada 10 eleitores não têm candidato ao GDF

Pesquisa espontânea cita Frejat, Reguffe, Rollemberg e Érica Kokay

Levantamento produzido com exclusividade ao Correio destaca alta rejeição a eventuais candidatos ao Buriti. A administração de Rollemberg é reprovada por 67% dos entrevistados

Ana Maria Campos , Helena Mader

O levantamento mostrou que nenhum político do DF se destaca no cenário local para as próximas eleições

O eleitor brasiliense está desiludido com a classe política e pessimista em relação ao futuro da cidade. Entre os cidadãos da capital federal, 91% ainda não sabem responder em quem votariam na disputa pelo Governo do Distrito Federal, o que mostra um cenário de indefinição na corrida eleitoral de 2018. Os moradores de Brasília rejeitam a maioria dos que já se articulam nos bastidores para concorrer ao Palácio do Buriti, mas não conseguem citar possíveis nomes novos, capazes de angariar votos no ano que vem.

A dura realidade para a classe política do DF é revelada por uma ampla pesquisa entre os eleitores, elaborada com exclusividade para o Correio Braziliense. O levantamento foi realizado pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados. Os pesquisadores ouviram 1.000 pessoas em 23 regiões administrativas. A margem de erro é de três pontos percentuais, em um intervalo de confiança de 95%. As entrevistas foram realizadas entre 1º e 5 de julho.

Nesse clima de pessimismo e rejeição, a avaliação do governador Rodrigo Rollemberg (PSB) sofre um baque. Entre os entrevistados, 67% consideram a gestão do chefe do Executivo como ruim (18%) ou péssima (49%); e 31% classificam o governo Rollemberg como ótimo (2%), bom (7%) ou regular (22%). Na divisão por faixa etária, os eleitores mais jovens, de 16 a 24 anos, e os mais idosos, acima de 60 anos, são os que têm uma melhor avaliação da administração do socialista.

As estatísticas revelam ainda que o eleitor está pessimista: 50% dos consultados acreditam que, daqui até o fim do mandato, a gestão Rollemberg vai piorar, 31% acham que a situação fica como está, 14% apostam em melhora, e 5% não souberam responder.

As estatísticas trazem algumas boas notícias para o governador. Dos temas analisados, alguns dos principais programas do GDF estão entre os que tiveram a melhor avaliação do eleitorado. A regularização de lotes, por exemplo, é aprovada por 17,8% dos entrevistados — tema com maior índice de aprovação. Já o ajuste nas contas públicas, com corte de gastos e suspensão de reajustes, tem o aval de 8,5% do eleitorado.

Contas públicas

Segundo a pesquisa, a gestão vai mal, principalmente, no combate ao desemprego: o brasiliense demonstrou preocupação com a falta de postos de trabalho e só 2,3% dos consultados pelo levantamento aprovam a atuação do governo no combate ao desemprego. A segurança pública é aprovada por apenas 4,4% dos moradores da cidade e a saúde, por 4,9%.

A pesquisa desvendou ainda quais são os principais problemas do Distrito Federal atualmente. A saúde é a grande inquietação dos moradores da capital para 32,4%. Em segundo lugar, aparece a segurança pública, citada por 21,5% dos entrevistados. A falta de trabalho é o terceiro problema, mencionado por 14,8% do total. Educação, corrupção, inflação, transporte público, crise hídrica são outros temas que apareceram durante o levantamento.

Crise política

A situação, entretanto, não é boa para nenhum político. Entre os mencionados, todos tiveram rejeição acima de 60%. O maior percentual é o de Rollemberg. Entre os entrevistados, 73,3% não votariam novamente no governador de jeito nenhum. Bispo Rodovalho (PP) e Chico Leite (Rede) aparecem na sequência, com rejeição de 70,9% e 70,6%, respectivamente. Entre os consultados na pesquisa, 68,9% não votariam em Érika Kokay (PT) e 67,2%, em Joe Valle (PDT).

Até mesmo o senador Reguffe (sem partido) tem rejeição em um patamar superior a 60%: segundo a pesquisa, 62,8% dos entrevistados não votariam no parlamentar. Jofran Frejat (PR) e Cristovam Buarque (PPS) tiveram os índices mais baixos de rejeição: 62,7% e 60,7%, respectivamente.

O diretor-executivo do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados, Max Stabile, diz que as informações do levantamento revelam “um quadro de rejeição e de indefinição”. Para ele, a pesquisa indica ainda um espaço amplo para o surgimento de novos nomes. “Os dados mostram uma situação de desconhecimento, de punição e de pessimismo”, afirma o cientista político.

“Os dados mostram uma situação de desconhecimento, de punição e de pessimismo”

Max Stabile, diretor-executivo do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados

Pesquisa espontânea cita Frejat, Reguffe, Rollemberg e Érica Kokay

No levantamento estimulado foram traçados dois cenários – e, em ambos, o médico Jofran Frejat lidera a disputa

Os brasilienses estão insatisfeitos com a política, mas não veeêm nomes capazes de reverter a situação crítica de Brasília e do país. Na pesquisa espontânea (em que o eleitor cita um nome sem olhar uma lista previamente elaborada), só 9% citaram nomes de candidatos preferidos, e 91% não responderam em quem preferem votar.

Jofran Frejat (PR), Reguffe (sem partido), Rodrigo Rollemberg (PSB) e Érica Kokay (PT) são os mais citados pelos eleitores na espontânea. No levantamento estimulado foram traçados dois cenários – e, em ambos, o médico Jofran Frejat lidera a disputa.

Na primeira pesquisa, ele aparece com 13,9%, seguido por Reguffe (11,4%), Érica Kokay (5,6%) e Alberto Fraga (4,5%). Em quinto lugar, está Rollemberg (4,2%) e, na sequência, surgem os nomes de Izalci (3,2%) e Joe Valle (0,7%).

O segundo cenário não inclui Reguffe – o senador garante que cumprirá o mandato de oito anos no Senado e que ficará no Congresso até 2022. Nessa perspectiva, 56,5% afirmaram que votariam branco, nulo, não responderam ou disseram não saber em quem votarão.

Sem Reguffe na pesquisa, Frejat fica com 13%, seguido por Kokay (6,1%) e Alberto Fraga (5,5%) e Rollemberg (4,8%). Em quinto, surge o nome do tucano Izalci (3,6%), seguido por Joe Valle (3,3%). Nesse cenário, 63,7% votariam nulo, branco, não sabem em quem votar ou não responderam.

Pesquisa mostra que Rollemberg tem 67% de rejeição dos brasilienses

Na divisão por faixa etária, os eleitores mais jovens e os mais idosos são os que têm uma melhor avaliação da administração do socialista

MINERVINO JUNIOR/CB/D.A PRESS

50% dos consultados acreditam que, daqui até o fim do mandato, a gestão Rollemberg vai piorar

Um levantamento exclusivo do Correio, feito pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de dados, revela que a avaliação do governador Rodrigo Rollemberg sofre um baque. Entre os entrevistados, 67% consideram a gestão do chefe do Executivo como ruim (18%) ou péssima (49%); e 31% classificam o governo Rollemberg como ótimo (2%), bom (7%) ou regular (22).

Na divisão por faixa etária, os eleitores mais jovens, de 16 a 24 anos, e os mais idosos, acima de 60 anos, são os que têm uma melhor avaliação da administração do socialista.

As estatísticas revelam ainda que o eleitor está pessimista: 50% dos consultados acreditam que, daqui até o fim do mandato, a gestão Rollemberg vai piorar, 31% acham que a situação fica como está, 14% apostam em melhora, e 5% não souberam responder.

As estatísticas trazem algumas boas notícias para o governador. Dos temas analisados, alguns dos principais programas do GDF estão entre os que tiveram a melhor avaliação do eleitorado. A regularização de lotes, por exemplo, é aprovada por 17,8% dos entrevistados — tema com maior índice de aprovação. Já o ajuste nas contas públicas, com corte de gastos e suspensão de reajustes, tem o aval de 8,5% do eleitorado.

O levantamento ainda mostrou que o eleitor brasiliense está desiludido com a classe política e pessimista em relação ao futuro da cidade. Entre os cidadãos da capital federal, 91% ainda não sabem responder em quem votariam na disputa pelo Governo do Distrito Federal, o que mostra um cenário de indefinição na corrida eleitoral de 2018. Os moradores de Brasília rejeitam a maioria dos que já se articulam nos bastidores para concorrer ao Palácio do Buriti, mas não conseguem citar possíveis nomes novos, capazes de angariar votos no ano que vem.

A dura realidade para a classe política do DF é revelada por uma ampla pesquisa entre os eleitores, elaborada com exclusividade para o Correio Braziliense. O levantamento foi realizado pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados. Os pesquisadores ouviram 1.000 pessoas em 23 regiões administrativas. A margem de erro é de três pontos percentuais, em um intervalo de confiança de 95%. As entrevistas foram realizadas entre 1º e 5 de julho.

Eleições 2018: brasilienses rejeitam Michel Temer

Para 79,6% dos entrevistados, o mandato de Temer não mudou o país depois do impeachment. Bolsonaro disputa com Lula preferência no DF para as eleições 2018.

Segundo a pesquisa, 57,5% dos entrevistados estão pessimistas com o governo Michel Temer

O governo do presidente Michel Temer enfrenta a rejeição de 70,7% dos moradores do Distrito Federal. É o que indica levantamento do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados, em 23 regiões administrativas, realizado entre 1 e 5 de julho, quando o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, já havia encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF) a denúncia por corrupção passiva contra Temer, com base na delação premiada do executivo da JBS Joesley Batista.

Para 49,9% dos entrevistados, ou seja, metade da população, a gestão é péssima e 20,8% a consideram ruim. Apenas 1,6% apontou o governo como ótimo. O percentual dos que apontam como bom é de 4,9%. A avaliação regular é citada por 19,2%, Os pesquisadores ouviram 1 mil pessoas. A margem de erro é de três pontos percentuais, em um intervalo de confiança de 95%.

Na semana que antecede a análise na Câmara dos Deputados sobre o recebimento da denúncia contra Temer, que poderá levar ao seu afastamento do cargo, os entrevistados se mostraram pessimistas em relação ao futuro. A pesquisa, feita com exclusividade para o Correio Braziliense, revelou um alto nível de descrença em relação ao futuro.

Entre os entrevistados, 57,5% acreditam que a situação do governo Temer vai piorar. Outros 26,3% acham que nada muda até o encerramento do mandato. Somados, os percentuais apontam que 83,8% dos moradores do Distrito Federal duvidam de um cenário de avanços. Os otimistas, que acreditam que as coisas vão melhorar, totalizam 8,9%.

Embora manifestações na Esplanada dos Ministérios tenham reunido milhares de pessoas a favor do impeachment no ano passado, 79,6% dos entrevistados avaliam que o mandato de Michel Temer não mudou o país. Para 42,9%, as coisas estão piores e 36,7% disseram que está tudo igual. O índice dos que consideram melhor é de 15,1% e 5,3% não souberam ou não quiseram responder.

Lula e Bolsonaro: os preferidos para a corrida presidencial de 2018

79% não responderam em quem votariam, mas Lula e Bolsonaro aparecem na frente para 21% dos eleitores.

O levantamento do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados revelou um cenário de incógnitas em relação ao cenário nacional. Na pesquisa espontânea, 79% não responderam em quem votariam para presidente da República se as eleições fossem hoje. Dos 21% que citaram um nome, o político que mais aparece é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva: ele teve 9,9% dos votos, quando o entrevistado é instado a apresentar o nome de seu candidato preferido. O petista é seguido pelo deputado Jair Bolsonaro (5,2%), do PSC, e por Marina Silva (1%), da Rede.

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, que ganhou fama nacional como relator do processo do mensalão, também aparece na pesquisa espontânea, citado por 0,8% dos entrevistados. Ciro Gomes (0,7%), do PDT, o tucano João Doria (0,7%), e a petista Dilma Rousseff (0,6%) completam a lista dos citados no levantamento.

Jair Bolsonaro também aparece como um dos mais citados para concorrer à Presidência

Na pesquisa estimulada, quando são apresentados possíveis candidatos aos entrevistados, o instituto traçou dois cenários e, em ambos, Lula lidera as intenções de voto. O primeiro deles inclui o tucano Geraldo Alckmin (PSDB), atual governador de São Paulo. Nessa perspectiva, Lula tem 16,7% dos votos, seguido de perto por Bolsonaro, com 14,8%. Em terceiro lugar, aparece Joaquim Barbosa, com 8,3% das intenções. O ministro aposentado, entretanto, ainda não escolheu um partido, nem confirmou a intenção de concorrer ao Palácio do Planalto. Ele tem sido bastante assediado por legendas como a Rede e o PSB.

Avaliação

Marina Silva, que sempre foi considerada forte no DF, aparece em quarto lugar, com 6.2% dos votos. O senador Cristovam Buarque (PPS-DF), que não esconde vontade de concorrer novamente ao Palácio do Planalto, tem 3,8%. Em seguida, estão Geraldo Alckmin (3,4%), Ciro Gomes, do PPS, com 2,5% e Luciana Genro, do PSol, com 0,4%. Entre os entrevistados, 24% optaram pelo voto branco ou nulo, 16,1% não souberam responder e 3,8% preferiram não opinar. Somados, os eleitores que não votam em nenhum dos citados chega a 43,9%.

No segundo cenário, em que o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), substitui Geraldo Alckmin, Bolsonaro cai de 14,8% para 10%. Joaquim Barbosa aparece com 9,1% dos votos. Com 4,5% dos votos, Doria está em quinto lugar, atrás de Marina Silva, com 6,2%. Na sequência, aparecem Ciro Gomes (4,00%), Cristovam Buarque (3,9%), Luciana Genro (0,3%) e Eduardo Jorge, do PV, com 0,1%. Os brancos e nulos somam 23,7%. Os que dizem não saber representam 16,8% e 4,1% não quiseram responder. Esses percentuais juntos indicam que 44,6% não escolheram nenhum dos indicados.

Tenha mais informações lendo a excelente matéria de Ana Maria Campos e Helena Mader, no Correio Braziliense.Acesse o link:

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2017/07/09/interna_cidadesdf,608150/nove-em-cada-10-eleitores-nao-tem-candidato-ao-gdf.shtml

 

 

Seja o primeiro a comentar

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*