O Brasil perdeu mais de 11,2 milleitos em quatro anos | | Edgar Lisboa
Inicial / Notícias / O Brasil perdeu mais de 11,2 mil
leitos em quatro anos

O Brasil perdeu mais de 11,2 mil
leitos em quatro anos

Print Friendly, PDF & Email

Entre 2005 e 2009 o país perdeu 11.214 leitos, o que representa uma queda de aproximadamente 2,5%, segundo dados divulgados hoje (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Pesquisa – IBGE. O movimento foi observado em todas as regiões brasileiras, com exceção da Região Norte que teve alta anual de 1,0%.

A pesquisa de Assistência Médico Sanitária (MAS) em parceria com o Ministério da Saúde, traça o perfil da oferta de serviços de saúde no país, a partir da investigação dos estabelecimentos públicos e privados do setor, com ou sem internação de pacientes.

Segundo o levantamento, as regiões mais carentes de leitos em relação à população continuam sendo a Norte (1,8 por mil habitantes) e a Nordeste (2 por habitante). Nessas regiões, conforme destaca o IBGE, embora tenha ocorrido aumento na oferta de leitos hospitalares públicos no período, que representam mais de 50% dos disponíveis para internação, esse número não foi suficiente para compensar a diminuição dos leitos privados e o aumento da população.

Em todo o país houve aumento de 0,6% no número de leitos públicos (3.926 a mais). A oferta foi ampliada em todas as regiões, com exceção da região Sul, que apresentou redução de 0,7% de leitos (398 a menos).

De acordo com a pesquisa, ainda, a pesquisa caiu 12,2% o número de leitos privados disponíveis ao Sistema único de Saúde (SUS). Entre as regiões, a que apresentou a maior queda foi a Nordeste, com 23%, seguida da Centro-Oeste, com 16,9% a menos de leitos.

Os leitos do setor privado, segundo dados do levantamento, respondem por 64,6% do total do país e os públicos correspondem a 35,4%. Ainda de acordo com a pesquisa, entre 2005 e 2008, o número de internações no país registrou queda de 0,2%. Das quase 23,2 milhões de internações realizadas, pelo menos 15 milhões foram no setor privado de saúde.

Rogério Lisbôa – Agência Texto Final de Notícias