Inicial / Notícias / País da Impunidade

País da Impunidade

Print Friendly, PDF & Email

Primeiro senador a discursar na sessão deliberativa desta terça-feira (1º), Pedro Simon (PMDB-RS) voltou a afirmar que a população brasileira não deve esperar nada do Congresso Nacional, da Presidência da República e do Judiciário no que se refere ao enfrentamento da corrupção. Para ele, a população precisa se mobilizar e pressionar para combater a corrupção e outras práticas que impedem o desenvolvimento do Brasil.

senador Pedro Simon
senador Pedro Simon

– Se a sociedade não se empolgar, se a sociedade não participar, se a sociedade não estiver presente não vai acontecer nada. Daqui não sai nada! – disse.

O senador comparou as recentes acusações contra autoridades do Executivo e do Legislativo do Distrito Federal a casos semelhantes ocorridos em anos anteriores, como o escândalo do mensalão, que atingiu figuras de destaque do governo Luiz Inácio Lula da Silva em seu primeiro mandato. Simon disse que os casos de corrupção descobertos nos últimos anos resultaram em poucas punições às pessoas envolvidas.

Em aparte, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) classificou as acusações contra o governador do DF, José Roberto Arruda, e contra deputados distritais, como “extremamente graves”. Suplicy disse que os acusados são obrigados a prestar explicações para a população brasileira.

Contra a corrupção

Simon elogiou a iniciativa do jornal O Globo de conclamar seus leitores a debater e a se manifestar contra problemas que prejudicam a população brasileira. O primeiro tema que foi debatido no movimento iniciado pelo jornal – “Nós e você. Já são dois gritando” – foi a corrupção. E quem escolheu os assuntos prioritários a serem debatidos foram os próprios leitores do jornal e outros internautas, ressaltou o senador, que participou do primeiro encontro, chamado de “Corrupção em debate”.

– Vamos iniciar essa caminhada, vamos percorrer o Brasil, vamos botar o Brasil de cabeça para frente, vamos cercar este Congresso Nacional. Vamos agir com coragem e dignidade. Nós temos que fazer isso. A sociedade tem que fazer isso. A imprensa tem que fazer isso – conclamou, endereçando-se aos veículos de comunicação, a entidades civis e aos estudantes. (Agência Senado).