16 de novembro de 2018
Inicial / Repórter Brasília / Querem impedir a volta do PT, escreve Lula no The New York Times
Deputado Bohn Gass (PT-RS)

Querem impedir a volta do PT, escreve Lula no The New York Times

Print Friendly, PDF & Email

Enquanto Brasília vem recebendo, dia e noite, caravanas de diversos Estados que vem defender a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao Palácio do Planalto; Lula, preso, em Curitiba, às vésperas de registrar seu nome, para disputar o pleito, pela sexta vez, ataca por todos os lados. Em artigo no jornal norte-americano, “The New York Times”, disse que sua prisão é para impedir a volta do PT à Presidência, e que foi a última fase de um golpe em câmera lenta destinado a marginalizar permanentemente as forças progressistas no Brasil.

Prepare seu time

Para o deputado Bohn Gass (PT-RS), “não tem como ter eleição, sem ter o nome de Lula na lista. O povo tem que decidir em quem ele vota”. Segundo o parlamentar, “é que nem um jogo de futebol, se tu tens medo de um time forte, e para ele não virar campeão, você exclui o time forte? Não. Prepare o teu time para vencer. Isso também é democracia. Todos têm medo de perder para ao Lula, então, vamos deixar o Lula fora. Isto é golpe, isto é fraude. O Lula precisa estar na urna para o povo poder decidir. E democracia é o povo quem decide. Como são as manifestações, tanto na greve de fome, com as caminhadas que estão sendo feitas, os milhares de mobilizações que terão neste dia 15, no registro do ex-presidente. Eu estarei junto. Nós vamos registrar Luiz Inácia Lula da Silva para Presidência de República. Vamos até o final, e o judiciário, se não registrar o Lula, estará contribuindo com um golpe. Nós não podemos aceitar que o povo não tenha a opção Lula na hora de votar”.

Sem chance de concorrer

Na avaliação do vice-líder do Governo, Darcísio Perondi (MDB-RS), as manifestações, em Brasília, são feitas por “um movimento de sem terras, que é um movimento ilegal. Isso já está consagrado. Lula   está na ficha suja, não será candidato. A democracia permite isso, permite estas manifestações, mas que sejam ordeiras”. Na opinião do parlamentar, “não há nenhuma chance de Lula concorrer. Se seu nome estiver na chapa; é o fim da Justiça Eleitoral, é o fim da justiça brasileira”. Enfatizou.

Lula candidato

O deputado Luís Carlos Heinze (PP-RS) afirmou que lamenta um ex-presidente preso. “Mas temos também parlamentares, grandes empresários presos. Eu acho que isso é o início de um novo Brasil”. O mais importante, segundo Heinze, “é que é a sociedade que irá julgar os políticos agora, na próxima eleição, ela está acompanhando as mudanças. Já teve essa mudança aqui na Câmara e no Senado, no mandato passado, com relação ao mensalão, e depois o petrolão. Aí depois vêm o juiz Sérgio Moro, Polícia Federal, Ministério Público Federal, a Justiça Federal; as coisas mudam. Então esse é um ponto importante”. Na opinião de Heinze, “no Brasil, a imunidade não tem preço. Nunca se imaginou um ex-presidente cassado, um presidente da Câmara cassado, um ex-presidente preso, grandes empresários presos; isso é importante para saber que as pessoas têm que respeitar as leis. Se não acreditarmos nessa justiça, não temos em que acreditar”. O deputado acentuou que “esse é um ponto importante para as pessoas saberem que não interessa quem quer que seja; seja um Vereador na cidade do interior ou um presidente da República, ou um pequeno empresário em qualquer cidade, ou uma megaempresa, como a Odebrecht e JBS, não interessa; todos têm que respeitar as leis”, destacou o deputado do PP.