Inicial / Notícias / Recebemos do auditor do Tribunal de Contas/TO, Deusdedit Nunes Pinheiro Sobrinho Nunes

Recebemos do auditor do Tribunal de Contas/TO, Deusdedit Nunes Pinheiro Sobrinho Nunes

Print Friendly, PDF & Email

Íntegra do documento que recebemos do auditor dp TCE/TO, Deusdedit Nunes Pinheiro Sobrinho Nunes

“Auditor do TCE/TO e Presidente Nacional da Confederação dos Profissionais Contábeis do Brasil – APROC0N BRASIL encaminha matéria de retificação junto ao CFC-Conselho Federal de Contabilidade ai em Brasília/DF.

Deusdedit Nunes Pinheiro Sobrinho Nunes

Título: “Conselho Federal de Contabilidade – CFC”  passa por uma forte e demorada investigação” de “SINDICÂNCIA INTERNA” para apurar desvios em contrato milionário de locação:

O “Conselho Federal de Contabilidade-CFC”, está passando por uma demorada “SINDICÂNCIA/CFC/PAD-Processo Administrativo e Disciplinar”, desde Janeiro de 2018 (há mais de 1 ano) para encontrar fortes esquemas de corrupção na entidade em mais duas décadas de gestão. Os alvos são as gestões dos ex-presidentes do CFC, Dr. Juarez Domingues de 2010 a 2013 e Dr. Martonio Coelho de 2014 à 31/12/17.

O atual presidente do CFC, Dr. Zulmir Breda ( a partir de Janeiro de 2018), está apurando possíveis irregularidades em contrato “milionário” de locação de Ônibus, Micro-ônibus, Vans, carros e similares com motoristas e receptivos do “CFC – Conselho Federal de Contabilidade” firmado para todo o “Território Nacional”. Desta forma,  o “Conselho Federal de Contabilidade – CFC”, cria a coragem e começa investigar atos que podem ser o maior escândalo de corrupção da história da entidade. É o Brasil sendo passado a limpo em todas as áreas.

A ponta do “iceberg” pode ser um “contrato milionário de locação” firmado pelo ex-presidente do CFC, Dr. Juarez Domingues Carneiro no ano de 2011 através de um contrato inicial de 660 mil reais, que não diz ser mensal ou anual, contrato este, N.: 003927/2011 para locação de Ônibus, Micro-ônibus, Vans, veículos com motorista e serviços receptivos para todo território Nacional, firmado com à empresa VIAGENS BRASIL TURÍSMO LTDA de Brasília, que teve vigência até dezembro de 2017.

Este contrato, teve início em 2011 e foi aditivado seu valor a maior em cinco vezes, encerrando em dezembro de 2017 quando era presidente do CFC, Dr. Martônio Coelho. Este contrato originou o “Processo investigativo CFC de N.: 2018/000068” em fase de Processo de investigação dentro do próprio CFC por mais de 1 ano.

“Os mais de 521.000 mil profissionais da Contabilidade de todo o Brasil e toda sociedade estão apreensivos com a grande quantidade de recursos orçamentários que a entidade autárquica federal CFC arrecada por ano e com o pouco ou quase nada que tem sido feito pela classe” contábil Brasileira, diz  o Auditor de Controle Externo do Tribunal de Contas do Tocantins TCE-TO e Presidente Nacional da Confederação dos Profissionais Contábeis do Brasil – APROC0N BRASIL, Auditor Dete Nunes.

O contrato “milionário de locação” que corresponde aos cinco aditivos e que podem estar eivado de vícios, está sendo apurado pela nova diretoria do CFC(Janeiro /18), determinado pelo presidente Dr. Zulmir Breda e de seu vice-presidente, Dr. Joaquim de Alencar, através da formação de uma “Comissão de Sindicância do CFC” ainda em Janeiro de 2018, através da “portaria CFC N. 30 de Janeiro de 2018”, gerando o “processo CFC 2018/000068”, portaria esta, que foi publicada  no “Diário Oficial da União-DOU”, no dia 17 de janeiro de 2018. A referida Sindicância instalada pelo CFC, tinha 60 dias para apurar os atos ilícitos apontando os culpados e a transparência para toda classe de profissionais de contabilidade do País e para toda sociedade brasileira, mas infelizmente ainda não divulgaram nada a respeito deste grave e importante assunto.

A “Câmara de Controle Interno- CCI do CFC”, através de seu “relatório de Auditoria Interna nº 33/2017”, detectou “fortes indícios” de irregularidades no “contrato milionário” de locação N.: 2011/003927, que embasaram a abertura do “Processo Administrativo e Disciplinar” que se encontra em fase final de apuração dos ilícitos e punição dos verdadeiros envolvidos no “processo CFC N.: 2018/000068”.

O “Presidente Nacional Confederação dos Profissionais Contábeis do Brasil – APROC0N BRASIL”, Auditor DETE NUNES, acredita na independência da nova diretoria do CFC que assumiu em Janeiro de 2018 pela coragem de atender aos anseios dos mais de 521.000 mil profissionais da contabilidade brasileiros quando se fala em investigar denúncias cometidas por ex-gestores e servidores do CFC.

“ Vejo o momento bastante positivo para passar a “entidade Autárquica CFC a limpo”, pois temos muitas denúncias para serem apuradas, são atos que podem comprometer ex-gestores e servidores por indícios de má conduta e irregularidades com o dinheiro público das anuidades do CFC, disse o Auditor DETE NUNES.

O CFC é uma “Autarquia Pública Federal” que tem como missão social proteger a sociedade com ética e honestidade e jamais se envolver em esquemas de corrupção, ou seja, “é um órgão que tem que dar ótimos exemplos para à sociedade, disse-nos o presidente da APROCON BR, Auditor Dete Nunes.”