Segunda-feira, 10 de agosto de 2009 | | Edgar Lisboa
Inicial / Repórter Brasília / Segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Print Friendly, PDF & Email

Disseminando ódio político
“O ministro da Justiça, Tarso Genro, está fomentando e disseminando o ódio político no Rio Grande do Sul. Está partidarizando a Polícia Federal e parte do Ministério Público Federal gaúcho.” A afirmação é do deputado Darcísio Perondi. O peemedebista enfatiza: “a eleição deve ser tratada a partir de julho e não agora. Por enquanto, deixem a governadora trabalhar. As atitudes de Tarso Genro só estão prejudicando a candidata Dilma Rousseff”. As declarações foram feitas, sábado á tarde, em um encontro de gaúchos e brasilienses, na sede da Associação dos Veteranos de Sobradinho, no Distrito Federal.

Heróis do Lula
Em mais um longo discurso, o senador Pedro Simon (PMDB) centrou fogo em Sarney (PMDB-AP), Renan Calheiros (PMDB-AL), Fernando Collor (PTB-AL) e no Presidente Lula. “Hoje, os heróis do Lula são o Dr. Sarney, o Dr. Renan, o Dr. Collor” ironizou Simon. Os mais maldosos já começam a comparar o “trio parada dura” com os “Três Patetas”.

Sarney não é referência
Sobre a biografia do presidente do Senado, Simon afirma: “ele falou contra o AI-5, mas foi o líder que comandou a derrocada da Emenda das Diretas Já, como Presidente do partido. Ele comandou a extinção do MDB e da Arena como dirigente do Partido. Não, ele não é referência”. Simon também falou muito bem do vice-presidente José Alencar, citando-o como referência no mesmo dia em que o Supremo Tribunal Federal (STF) o aceitou como testemunha do deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP) na ação penal do Mensalão. O herói de Simon terá de responder as perguntas enviadas pelo procurador-geral da República e pelos envolvidos no escândalo.

Mau exemplo
“Somos construtores diretos de uma história política que, tenho certeza, não servirá de boa referência para as gerações que virão” disse Simon. No mesmo sentido, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), comparou: “imagine se o que está acontecendo aqui, esse bate boca, se repetisse nas escolas brasileiras”. Disso, não temos dúvida, é mesmo um grande mau exemplo.

Pompeo de Mattos absolvido
O deputado Pompeo de Mattos (PDT) continuará representando o Rio Grande do Sul na Câmara Federal, de acordo com decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O pedetista foi acusado pelo Ministério Público Eleitoral de abuso de poder econômico e compra de votos, por “oferecer hospedagem em albergues na cidade de Porto Alegre em troca de votos”. Os ministros Felix Fischer, Joaquim Barbosa e Carlos Ayres Britto votaram pela cassação. Os demais ministros, apesar de acolherem o voto do relator, ministro Marcelo Ribeiro, deixaram claro que essa prática não será mais tolerada pela Justiça Eleitoral. Ribeiro, assim como em diversas sessões anteriores, alegou que a manutenção de albergues por políticos gaúchos é uma tradição de mais de duas décadas e que não acontece somente em períodos eleitorais. E mais, Ribeiro afirma, segundo nota do TSE, “que não havia potencial nessa atividade assistencial para influenciar o voto do eleitor e, assim, desequilibrar a disputa entre os candidatos”.

Curtas
– Tornar obrigatório em estabelecimentos de saúde, públicos e privados, a fixação de cartazes, faixas ou qualquer outro meio de divulgação que informe e incentive a doação de órgãos, medula óssea, córneas, pele, sangue e demais tecidos. A proposta foi apresentada pelo deputado Beto Albuquerque (PSB).