Uruguai: segundo turno em novembro | | Edgar Lisboa
Inicial / Notícias / Uruguai: segundo turno em novembro

Uruguai: segundo turno em novembro

Print Friendly, PDF & Email

Nas eleições para os candidatos a presidência no Uruguai, o ex-guerrilheiro e senador José Mujica da coalizão esquerdista Frente Ampla lidera com 48,13% dos votos contra 28,96% do ex-presidente de centro-direita Luis Lacalle do Partido Nacional (ou Blanco). Dessa forma, acontecerá o segundo turno no dia 29 de novembro.

O ponto conflitante dos dois candidatos, em relação a política externa, se refere ao Mercosul. Mujica defende a permanência no Mercosul e Lacalle a saída. “Apesar de o bloco ter defeitos por todos os lados, somos filhos dos sucessos e das frustrações da América Latina, nosso lugar é aqui”, analisa Mujica.

O ex-presidente Luis Lacalle (no mandato de 1990 a 1995) e um dos quatro líderes fundadores do Mercosul (junto com o brasileiro Fernando Collor de Mello, o paraguaio Andrés Rodríguez e o argentino Carlos Menem), em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, afirma que está desvirtuado pela bilateralidade Brasil e Argentina. “Infelizmente, eu mal reconheço esse filho. Só acreditaria que isso aqui foi meu filho se fizerem um exame de DNA. A verdade é que o Mercosul, do jeito que está, não dá para reconhecer. O Mercosul não ajudou meu país”, analisa Lacalle.

Sobre o presidente Lula, novamente, visão divergente. Amigo de Lula (a quem conheceu nos tempos em que o petista era metalúrgico), ressalta a habilidade de Lula de administrar uma nação durante anos sem maioria parlamentar. E quer aproximar-se do país vizinho. “Meu modelo é Lula, porque usa essa metodologia de colocar no centro a negociação política permanente. E eu não quero atomizar o país”, completa.

Enquanto Lacalle deseja independência do Brasil e Argentina. “Não me importa Lula, nem Fernando Henrique Cardoso, nem [os partidos argentinos] peronistas ou a União Cívica Radical”, afirma Lacalle. Ele cita, ainda, o Lord Castelreagh para proteger os direitos do próprio país. “A Grã-Bretanha não tem amigos nem aliados permanentes, tem interesses permanentes!”